1. Introdução

Um cozinheiro precisa saber como documentar receita para no futuro fazer uma ficha técnica e conhecer quais ingredientes e quantidades são necessárias para o preparo de seus pratos.

Veja, a seguir, um passo a passo sobre como documentar uma receita de forma prática.

2. Utensílio de medida

Ao registrar as receitas é importante que sejam escolhidos corretamente os utensílios de medida. Somente assim os ingredientes poderão ser contados de forma correta.

É fundamental também documentar a unidade de medida e a unidade de medida caseira. 50 gramas de açúcar equivalem a 2 xícaras de açúcar, por exemplo. Assim é mais fácil de elaborar a receita posteriormente, pois nem sempre se terá uma balança à disposição para medir com exatidão.

3. Mapeamento de preços dos produtos

Quando for documentar uma receita para restaurantes, é preciso ter noção de como ela vai ser cobrada. De tal modo, é necessário entender que a cada X gramas de um ingrediente será gerada uma quantidade Y da receita, que poderá ser vendida pelo valor Z.

Para isso, deve-se compreender o custo de cada insumo, utilizando bancos de ingredientes, como o que consta no software do Menu Control.

4. Desenvolvimento da ficha técnica

A ficha técnica de uma receita deve conter a quantidade de porções que ela rende, os ingredientes na proporção correta, o método de cocção, o tempo de preparo e os procedimentos que devem ser realizados, de forma individualizada.

Ao elaborar a ficha é preciso levar em conta o fator de correção. Isso quer dizer que partes que não serão aproveitadas na receita não entram nesse cálculo. A cebola deve ser considerada sem casca e a carne sem capa, por exemplo.

5. Utilização da balança

O uso dessa ferramenta também precisa ser eficiente, aplicando também a tara. Dessa forma, a balança deve ser programada para que pese os produtos e subtraia as embalagens, cascas etc.

Saber como pesar os alimentos utilizando a tara da balança é imprescindível para que não ocorram erros no momento do preparo da receita e, posteriormente, da precificação.

6. Formação de preços por Markup

Para formar o preço de venda pelo método markup, é preciso considerar os custos de produção, a distribuição do produto e a venda. Também é adicionado a essa soma o valor do lucro bruto.

O cálculo deve incluir os custos fixos (como o gás e a energia) e os variáveis (como impostos sobre o produto ou comissões de venda) que envolvem a receita. Essa conta precisa ser feita com base na ficha técnica de cada prato.

7. Conclusão

Os cozinheiros profissionais precisam documentar receitas para desenvolver as fichas técnicas dos pratos que comercializam em seus estabelecimentos. E, agora como você já sabe um pouco mais sobre isso, é chegado o momento de desenvolver as fichas do seu restaurante.

Para isso, você pode contar com o Menu Control, um software especializado nessa atividade. Assim, você faz tudo de forma mais prática e automatizada, deixando de lado as questões mais burocráticas e focando naquilo que você mais gosta de fazer, que é cozinhar e criar novos pratos deliciosos!

Aproveite e baixe nosso modelo para documentar receitas.

8. Menu Control

O Menu Control é um software especializado em fichas técnicas de alimentos, em que é possível compor e precificar receitas alimentícias, definir o custo, preço, organizar receitas e promover os produtos. É 100% online e atende a todo o Brasil.

Padronizar receitas é um procedimento que deve ser adotado por todos os restaurantes. Isso é fundamental para que a cozinha funcione, mesmo que alguém da equipe não possa trabalhar em determinado dia. Assim, é possível garantir a qualidade dos pratos e a satisfação de seus clientes, em qualquer circunstância.

Porém, essa não é a única vantagem oferecida pela padronização. Para mostrar como ela é indispensável para o seu negócio, listamos diversos aspectos que justificam a sua adoção. Acompanhe nos tópicos a seguir!

Maior agilidade no preparo

Em uma cozinha profissional, é preciso ter fichas técnicas para que as receitas sejam padronizadas. Assim, se garantirá mais agilidade no preparo dos pratos.

Na ficha estará descrito exatamente as quantidades de cada ingrediente que devem ser colocadas em cada receita, bem como o modo de preparo detalhado. De tal modo, não haverá erros ou dúvidas por parte dos cozinheiros e auxiliares de cozinha ao montar os pedidos dos clientes.

Cálculo do custo

Com o uso de uma ficha técnica para padronizar receitas, o chef ou responsável pelo restaurante poderá fazer o cálculo do custo dos seus pratos. Isso é importante para que se saiba qual é o valor investido em cada item do cardápio.

Além disso, também pode ser definido o preço dos pratos de forma justa, sem que seja necessário cobrar muito dos clientes.

Definição de quantidades

Quem estudou Gastronomia sabe que basta uma quantidade a mais em uma receita e tudo pode desandar e não sair como o esperado. Por isso, é preciso colocar exatamente as quantidades exatas de cada insumo.

Com a receita padronizada e o auxílio de uma ficha técnica, se evita o problema de colocar ingredientes “a olho” e adicionar porções maiores ou menores do que o necessário.

Eficiência operacional

Os processos padronizados possibilitam um trabalho mais eficiente na cozinha. Todos saberão exatamente o que e quando fazer, de modo que o chef terá mais facilidade para liderar a sua equipe.

A eficiência operacional propicia um restaurante mais organizado, com controle financeiro e administrativo eficaz,  e evita problemas como a perda de insumos e até mesmo conflitos internos entre os colaboradores.

Pedido facilitado pelos clientes

Quando os clientes já conhecem os pratos do restaurante e sabem que eles seguem um padrão de preparo, as chances de eles voltarem com frequência são grandes. Além disso, seguir uma ficha técnica também facilita o reconhecimento das preferências de cada pessoa.

Suponha que você faça hambúrgueres artesanais, mas determinado cliente não gosta de tomate. Nesse caso, ele pode solicitar que esse ingrediente não seja colocado no seu lanche e o pedido poderá ser prontamente anotado pelos garçons e repassado para a cozinha.

Como você pode perceber, padronizar receitas é indispensável para qualquer restaurante que se preze. E, para isso, contar com um software para elaboração de fichas técnicas é essencial.

O Menu Control é um software especializado na elaboração de fichas técnicas. Com ele, você poderá compor e precificar as suas receitas. Tudo isso de forma prática, rápida e online. Entre em contato conosco e saiba mais!

Para aumentar o mix de produtos para confeitaria e conquistar ainda mais vendas para o seu negócio, é importante você conhecer as principais tendências de mercado para essa área.

Para quem pretende empreender e quer encontrar algo diferenciado, conhecer as tendências para confeitaria também é uma excelente forma de saber o que está em alta, praticamente garantindo altos lucros.

Para que você fique por dentro das novidades nesse ramo, desenvolvemos uma lista com as principais delas. Confira, a seguir!

Doces diet

Todo mundo gosta de saborear uma deliciosa sobremesa depois do almoço, não é mesmo? É por isso que os restaurantes e estabelecimentos de gastronomia, de modo geral, precisam sempre investir em doces.

Porém, muitas pessoas não podem consumir açúcar, como os diabéticos. Há também os que diminuem os doces muito calóricos para manter o corpo em forma. Os doces diet são uma solução prática para que você não deixe de lucrar com esse perfil de clientes.

Flores e suculentas como decoração

Os bolos decorados fazem sucesso, principalmente para festas como aniversários e casamentos. Apostar em uma bela decoração, feita com pasta americana, é algo que deve ser considerado por todos os confeiteiros.

Um tipo de decoração que está em alta são as flores e suculentas. Por isso, prepare a pasta americana e a sua criatividade para fazer lindos bolos com a aparência de verdadeiros terrários.

Doces gourmet

Por que oferecer brigadeiros e beijinhos simples, se você pode lucrar mais vendendo doces gourmet? Eles fazem muito sucesso, principalmente quando são inusitados, como brigadeiros com pimenta, pistache e até cerveja.

Outro tipo de doce que está sendo muito comercializado em padarias de todo o país são os bolos de pote, que podem ser interessantes para festas infantis, por exemplo.

Desenhos ocultos em massas

Os bolos que parecem simples por fora mas têm desenhos na parte interna podem ser uma excelente ideia para fazer surpresas. São diversos os casos de pedidos de casamento que têm sido feitos dessa forma, inclusive.

Por isso, é uma boa ideia aprender essa técnica e oferecer como diferencial para os seus clientes.

Number cake

Os numbers cakes, como o próprio nome em inglês sugere, são bolos em formatos de números. Eles são uma ideia criativa para celebrar aniversários.

Se alguém está celebrando os seus 15 anos em uma festa, por exemplo, você pode caprichar e desenvolver um lindo bolo com esses algarismos.

Ficha técnica de produtos para confeitaria

Não são apenas as receitas e produtos para confeitaria que devem ser observados, no entanto. Você precisa organizar o seu trabalho e saber precificar os pratos que desenvolve e vende.

Por isso, contar com uma ficha técnica de produtos para confeitaria pode ser a solução ideal para isso. Assim, você poderá definir os custos e ganhar mais dinheiro seguindo as tendências para confeitaria.

Nós, da Menu Control, podemos ajudar nesse sentido. Oferecemos um completo software que é ideal para organizar fichas técnicas de alimentos e para compor e precificar receitas. Então, não perca tempo e entre em contato conosco agora mesmo!

gourmetização

Você provavelmente já ouviu falar em gourmetização. Essa palavra aponta uma tendência muito em voga nos estabelecimentos que trabalham com alimentação, trazendo uma versão especial de comidas que já conhecemos normalmente.

Mesmo já conhecido, esse conceito ainda está em crescimento e pode ser uma excelente oportunidade para diversificar a atuação do seu restaurante, atingindo um público que procura novos sabores. Então, ficou interessado? Continue lendo para entender melhor essa tendência!

O que é gourmetização?

A palavra gourmet foi criada pelo gastrônomo francês Jean Savarin, no livro “Fisiologia do gosto”, lançado no século XIX. À época, o termo era usado para designar uma pessoa com o paladar apurado, caracterizando elegância, qualidade e sofisticação.

Nos dias atuais, a palavra gourmet serve para indicar um prato mais refinado. Esse prato pode ser algo popular, porém, feito com ingredientes, modo de preparo ou apresentação mais sofisticada.

Por que apostar nessa tendência?

O conceito surgiu após o período de ascensão econômica vivido pelos brasileiros entre 2004 e 2008 — e, de acordo com pesquisa da Unicamp, não foi impactada pela crise econômica posterior. Isso acontece, em parte, porque vai de encontro à recente anti-industrialização e a busca do prazer na alimentação.

A gourmetização surge como uma nova opção alimentar, em que os produtos são fabricados com itens mais frescos ou diferenciados, valorizando o prato e tornando-o uma experiência gastronômica. E mudanças como essas podem abrir um leque interessante para um novo mercado.

Diante das dificuldades enfrentadas hoje, as pessoas buscam oportunidades de se autogratificar, e comprar uma comida que tenha um diferencial em sua apresentação ou no sabor pode ser um luxo acessível nesse sentido. Além disso, a gastronomia vive uma fase de grande atenção midiática, o que ajuda ainda mais a divulgação desse tipo de produto.

Com a reunião desses elementos, podemos perceber um excelente momento de mercado para apostar na gourmetização de pratos.

Como são feitos os pratos gourmetizados?

Para produzir um prato gourmetizado, é necessário ter um novo olhar sobre um alimento já conhecido. Você pode alcançar esse status melhorando a apresentação do produto ou utilizando ingredientes mais frescos, por exemplo.

Outra boa estratégia é adicionar novos temperos ou modos de preparo que aproximem o prato de um processo artesanal, aumentando sua qualidade e apurando o sabor. Também há a possibilidade de usar elementos até então inusitados, como uma pipoca gourmet com leite em pó, por exemplo.

No geral, não existe uma fórmula para um prato gourmet. O importante é ter em mente que esse alimento deve propor uma experiência nova para o consumidor, que realmente traga um diferencial capaz de justificar o aumento no preço. Apenas usar o termo gourmet e vender o prato 3 vezes mais caro é banalizar o conceito — e, consequentemente, prejudicar a credibilidade do seu estabelecimento.

Quais são os alimentos gourmetizados mais conhecidos?

Hoje você consegue encontrar uma série de alimentos em sua versão gourmet, mas podemos destacar os principais deles:

  • hambúrguer;
  • coxinha;
  • pipoca;
  • cachorro-quente;
  • brigadeiro.

Enfim, agora que já sabe mais sobre a gourmetização, você pode começar a pensar em novas propostas para os pratos oferecidos pelo seu estabelecimento. Pode ser um recheio com ingredientes mais refinados ou um modo de preparo mais cuidadoso. Pense no seu público e seja criativo!

Então, gostou do nosso artigo? Aproveite para deixar um comentário com qualquer dúvida ou experiência que você já teve com um alimento gourmet!

gestão de restaurantes

Fazer a correta gestão de restaurantes é um desafio para muitos empreendedores da área da gastronomia. Afinal, é preciso estar atento a diversos tópicos, como a supervisão dos cozinheiros, o relacionamento com os fornecedores, o atendimento ao cliente, entre outros.

Para dar conta de toda essa demanda de trabalho, é preciso saber otimizar a rotina e focar naquilo que gera resultados. Foi por isso que desenvolvemos este post, que apresentará dicas para que você aprenda a economizar tempo e melhorar a produtividade. Acompanhe!

Utilize o princípio de Pareto

O princípio de Pareto, que também é conhecido como 80/20, foi desenvolvido pelo engenheiro italiano Vilfredo Pareto Frederico Damaso, ainda no ano de 1906. Muito aplicada a diversas áreas administrativas, a regra também pode ser aplicada em restaurantes.

A principal utilidade desse princípio é que ele ajuda o empreendedor a prestar atenção no que realmente é relevante, podendo, assim, dedicar-se às questões mais urgentes com prioridade.

Mantenha a qualidade

A qualidade deve ser prioridade em um restaurante, principalmente no que se refere ao preparo dos pratos. Deve-se prezar para que os insumos utilizados sejam os melhores possíveis, além de garantir alimentos saborosos e adotar técnicas inovadoras de empratamento.

Além disso, também deve-se ter um cuidado especial com o delivery. Nesse caso, as embalagens precisam garantir que o cliente receba pratos saborosos e bem montados, como se estivessem no restaurante.

Ofereça um bom atendimento

O atendimento também precisa ser primordial. É por isso que, na gestão de restaurantes, você deve proporcionar treinamentos para os garçons, atendentes do caixa, telefonistas e, até mesmo, para os chefs de cozinha, caso eles tenham contato com o público.

Uma dica interessante é também atentar para o bom atendimento virtual, como a forma com que os clientes são respondidos quando entram em contato com o restaurante pelo Facebook ou WhatsApp.

Adote uma rotina de limpeza

É preciso que o gestor de restaurante mantenha uma rotina de limpeza do estabelecimento, pois, assim, garantirá sempre o melhor para os clientes. Além disso, também cumprirá com as exigências dos órgãos fiscalizadores de vigilância sanitária.

Ter um checklist com os responsáveis por cada etapa da limpeza do estabelecimento é importante para que nada seja deixado de lado ou para que você saiba de quem cobrar, caso algo seja esquecido ou feito de forma inadequada.

Tenha atenção às suas margens de contribuição

O gestor de um restaurante precisa ficar atento para as margens de contribuição do estabelecimento, ou seja, o valor que sobra da receita obtida com a venda dos pratos do cardápio aos clientes.

Compreender a margem de contribuição é necessário para traçar estratégias para que o restaurante saia do seu ponto de equilíbrio e possa ter mais chances de obter lucro.

Essas são algumas das principais orientações que você deve seguir na gestão de restaurantes. Assim, você poderá ter um foco naquilo que realmente traz resultados para o seu negócio.

Gostou do nosso artigo? Então, não deixe de curtir a nossa página no Facebook. Desse modo, você poderá receber os nossos materiais em sua linha do tempo e ficar por dentro de nossas novidades e dicas interessantes.

pilares na gestão de restaurantes

Por mais que o setor gastronômico seja bastante receptivo ao pequeno e ao novo empreendedor, conhecer os quatro pilares da gestão de negócios de gastronomia é fundamental para não engrossar as estatísticas das empresas que fecham as portas logo nos primeiros anos de existência.

Veja, na sequência, tudo o que você precisa saber sobre os quatro pontos-chaves para fidelizar clientes e aumentar o faturamento em restaurantes, lanchonetes, bares, bistrôs e cafés. Confira!

Qualidade do produto

Oferecer comida de qualidade aos clientes talvez seja o ponto mais importante, já que, sem ele, todos os outros pilares desmoronam. Por melhor que seja o ambiente, a música e o serviço, os clientes simplesmente não voltarão se a comida não for boa.

Comida de qualidade é feita pela combinação entre profissionais talentosos, bons ingredientes e uma cozinha equipada. Por isso, é fundamental investir na capacitação dos funcionários da cozinha, além de equipamentos e insumos de primeira.

Serviço

Por mais que a qualidade e o sabor da comida servida sejam fatores importantes, é preciso lembrar que o cliente não está em busca apenas de se alimentar. Na verdade, ele quer uma experiência completa.

Todo mundo pode comer no conforto do lar, mas quando decidimos sentar em um restaurante, o fazemos não apenas pelo sabor espetacular do tempero, mas também pela conveniência de ter os pratos servidos na mesa, de curtir um bom ambiente e de não ter que se preocupar com o preparo e a louça.

Limpeza

A limpeza é um item que dialoga com os outros dois pontos que já tivemos a oportunidade de ver por aqui: qualidade do produto e bom serviço.

A limpeza da cozinha é importante para evitar que elementos estranhos aos ingredientes acabem indo parar no prato do cliente, modificando o sabor e a qualidade do seu produto. Em alguns casos mais graves, a negligência com a limpeza pode chegar a colocar a saúde do cliente em risco.

A limpeza do salão, por sua vez, também deve ser impecável, já que é o local que acolherá nossos convidados. Isso inclui a limpeza pesada e também os detalhes, como toalhas de mesa, guardanapos, pratos, copos, talheres e até mesmo o uniforme dos garçons.

Lucro

Por fim, não poderíamos deixar de abordar o aspecto financeiro, já que ele é o grande responsável pelos altos índices de mortalidade das empresas.

Além de trabalhar com ingredientes de primeira, investir na capacitação de seus colaboradores e caprichar na limpeza da cozinha e do salão, o empreendedor também tem que se preocupar em trazer dinheiro para dentro da empresa, já que não há outro jeito fechar a conta no fim do mês.

A grande dica aqui é buscar uma estratégia para dar saída aos produtos que mais queremos vender, como é o caso dos que têm uma margem de lucro um pouco maior ou daqueles que têm alguma importância estratégica para o negócio.

Para concluir nosso artigo, é importante destacar a enorme importância de conhecer e cumprir as regras da Vigilância Sanitária.

Além de garantir uma experiência para o cliente de acordo com um padrão mínimo de qualidade, o empresário também não corre o risco de ser autuado pelas autoridades fiscalizadoras, tendo de arcar com pesadas multas, um dos grandes riscos na gestão de negócios de gastronomia.

E aí, confiante para construir uma fundação sólida para o seu negócio? Então, aprenda agora mesmo a montar um plano de negócios para a sua empresa!

Indicadores para restaurantes

A administração de um restaurante é uma atividade que exige conhecimentos que vão muito além da elaboração de pratos e receitas. O responsável por essa atividade precisa compreender inúmeros conceitos importantes, desde a precificação de produtos, atendimento ao cliente até seu posicionamento de mercado.

Também é relevante que tudo isso seja frequentemente avaliado, e entender sobre os indicadores para o segmento de alimentação é algo que se torna essencial para os proprietários desse tipo de negócio.

Neste post, vamos explicar quais são os principais indicadores de desempenho ou KPIs que todo gestor de negócios da área de alimentação precisa examinar. Siga conosco e confira!

1. Custo de mercadoria vendida

O custo de mercadoria vendida (CMV) é o valor que o restaurante gasta para preparar e servir ao cliente qualquer um dos pratos de seu cardápio. Trata-se, portanto, de uma métrica muito relevante para os estabelecimentos do tipo.

O cálculo do CMV é bastante simples. Para realizá-lo basta que seja calculado o valor do início do estoque no início do mês e sejam acrescentados os valores das compras realizadas no decorrer do período; ao final do período, subtraia-os.

Desse modo, a fórmula do CMV é a seguinte:

CMV = inventário inicial + inventário comprado – inventário final

Fazer esse cálculo é importante para que você possa definir os preços dos produtos que comercializa em seu restaurante.

2. Giro de estoque

É muito relevante que o gerente de restaurante tenha uma tabela completa e atualizada com os indicadores do seu estoque. O objetivo é evitar gastos desnecessários e desperdícios.

Se determinado prato tem pouca saída, por exemplo, não é preciso comprar grandes quantidades de seus ingredientes, pois assim não se corre o risco de que eles percam o prazo de validade antes de serem utilizados.

Além disso, ter o conhecimento do giro de estoque também evita que fiquem em falta os insumos necessários para os pratos mais solicitados, como o carro-chefe do estabelecimento.

3. Prime cost

Chamamos de prime cost o índice de desempenho por meio do qual são somados os preços das mercadorias com a mão de obra de fabricação. Trata-se, portanto, de uma análise resumida do desempenho operacional e financeiro de um restaurante.

A fórmula para o cálculo do prime cost de um restaurante é a seguinte:

prime cost = (custo da mercadoria vendida + custo da mão de obra) / receita

O prime cost é relevante para que se possa acompanhar a evolução do desempenho operacional e financeiro de um restaurante ou outro estabelecimento do ramo alimentício.

4. Satisfação do cliente

Nenhum negócio sobrevive se não agradar seus clientes, por isso buscar por sua satisfação também é algo que precisa ser constantemente mensurado. Uma ideia interessante, desse modo, é fazer pesquisas para ter um indicador numérico que demonstre o grau de satisfação dos consumidores do seu estabelecimento.

Esses são alguns dos principais indicadores para o segmento de alimentação. Segui-los é relevante para que você possa ter uma base sólida para direcionar as ações do seu negócio.

Gostou do nosso post e quer receber outros artigos interessantes diretamente em seu e-mail? Então, não deixe de assinar a nossa newsletter!

empreendedorismo na gastronomia

O empreendedorismo na gastronomia é algo que sempre está em alta, pois esse tipo de negócio costuma dar certo até mesmo em períodos de crise. Afinal, as pessoas até podem cortar gastos em algumas áreas, mas não podem deixar de se alimentar, não é mesmo?

Porém, para abrir um novo negócio, não basta dominar as técnicas gastronômicas e saber como preparar receitas e pratos saborosos. É preciso saber como precificar os produtos que serão vendidos, investir em marketing, verificar as exigências das leis e outros fatores.

Para que você possa ter sucesso com o empreendedorismo na área gastronômica, uma série de boas práticas precisam ser colocadas em ação. A seguir, veja as principais delas!

Pense com inovação

O seu negócio não pode ser mais do mesmo, é preciso que você encontre alguma maneira de se diferenciar dos seus concorrentes. Para isso, não existe receita de bolo, mas sim muita pesquisa.

Se você vai abrir uma tapiocaria, por exemplo, precisa verificar a quantidade de estabelecimentos desse tipo que existe na sua cidade e se as pessoas estão dispostas a ir nesse tipo de restaurante, por exemplo. Assim, com base em dados, você precisará inovar para chamar a atenção do seu público-alvo.

Foque no bom atendimento

Os seus pratos podem ser os mais saborosos do mundo, mas se o atendimento não for de qualidade, as pessoas não vão se sentir bem no seu restaurante. Afinal, ao ir jantar, almoçar ou lanchar, não se busca apenas sanar uma necessidade fisiológica, mas sim viver uma experiência agradável.

Por isso, todos os garçons, recepcionistas, atendentes e outros profissionais precisam ser muito bem-educados e solícitos. Isso não vale apenas para os meios físicos, mas também digitais. Nas redes sociais, por exemplo, é preciso responder as interações com cordialidade.

Atente-se para as normas

Antes de abrir um negócio na área da gastronomia, é importante que você se atente para as normas fiscalizadoras. Por isso, é importante que você consulte a Vigilância Sanitária, o Corpo de Bombeiros e todos os outros órgãos competentes que fiscalizam os estabelecimentos em seu município.

Pense bem na localização

De nada adianta você investir muito em um novo negócio se as pessoas tiverem dificuldade para ter acesso a ele. Por isso, também é necessário pensar muito na localização do empreendimento.

O mais adequado é que você possa abrir o seu estabelecimento em um local em que haja grande circulação de pessoas, que tenha estacionamento fácil e uma boa acessibilidade para todos.

Inspire-se em quem já obteve sucesso

Para empreender na gastronomia, nada pode ser mais inspirador do que conhecer quem já obteve sucesso nessa área. Por isso, pesquise sobre as história de empreendedores como Alberto Saraiva do Habib’s, Robinson Shiba do China in Box, Colonel Sanders do KFC ou qualquer outro empreendedor da área que você se identifique.

Se você seguir essas dicas, ter êxito com o empreendedorismo na gastronomia será muito mais fácil. Portanto, não deixe de colocar em prática esses conhecimentos e tirar as suas ideias do papel. Nós acreditamos no seu potencial!

Para começar um novo negócio na área gastronômica, saber o que servir é fundamental. Por isso, aprenda agora mesmo como montar um cardápio da forma certa!

gestão de compras

Realizar as compras de um restaurante ou de qualquer outro tipo de negócio não deve ser apenas uma atividade com o objetivo de repor os itens utilizados ou vendidos. Dessa forma, as empresas têm que se preocupar em fazer uma excelente gestão de compras, uma vez que um planejamento feito com antecedência é crucial para obter resultados positivos.

Assim, definir corretamente esse processo propicia ao negócio um funcionamento mais responsável e cuidadoso em relação ao seu capital de giro e, principalmente, com o foco em evitar desperdícios de alimentos. Isso porque a boa gestão de compras fará você comprar nas quantidades corretas, receber as entregas nas datas necessárias e ter mais eficiência na aquisição de produtos.

Agora, para ajudarmos você a implementar da melhor maneira a gestão de compras no seu empreendimento, abordaremos algumas das mais eficientes práticas. Confira!

Procure relacionar-se com novos fornecedores (e desenvolva esse relacionamento!)

É sempre bom ter mais de um fornecedor para cada item que você tem costume de comprar. Assim, idealmente, trabalhe com três. Isso porque você aproveita para ter maior poder de barganha e, ao mesmo tempo, assegura que terá sua mercadoria na hora em que precisar.

Então, é importante contar com fornecedores confiáveis, conhecer seu fluxo e sua capacidade de atendimento, a fim de se programar da melhor forma. Assim sendo, faça prosperar um relacionamento com esses parceiros e busque negociar bons acordos, em que ambos ganhem com o negócio, e que prevejam descontos ou facilidades mediante aquisição de uma quantidade maior de produtos.

Detalhe cada um dos itens de sua lista de compras

A dica é organizar o mais detalhadamente possível a sua lista de itens, com o objetivo de não errar nas compras. Sugerimos um modelo de lista com os seguintes dados:

  • descrição completa;
  • marca de preferência;
  • quantidade por embalagem;
  • marcas substitutas (para o caso de ruptura).

Ao trabalhar assim, você terá a certeza de sempre comparar preços de produtos similares. Essa medida também garante que seu fornecedor entregue exatamente aquilo que você precisa, sem falhas na sua especificação.

Planeje uma agenda de compras por categorias

Ter uma agenda regular de compras para cada categoria de itens viabiliza conservar uma boa organização do tempo, economizar com frete e fazer compras consolidadas. Por isso, não deixe de estabelecer uma rotina semanal.

Com esse planejamento antecipado, quem sabe você não consegue até mesmo custos mais baixos por quantidade comprada? Por exemplo, às segundas-feiras, compras de proteínas; às terças, de bebidas; às quartas, verduras e legumes; e por aí vai.

Mantenha um estoque mínimo

A gestão de compras e o controle de estoque são atividades que estão intimamente conectadas. Isso porque o que aponta as necessidades são os relatórios de inventário. Assim, uma das melhores práticas dessa integração é manter um estoque mínimo e programar as compras a partir do histórico das movimentações dele.

Dessa forma, deixar uma quantidade reduzida de itens armazenados evita desperdícios, em função, principalmente, da perecibilidade dos produtos.

Por fim, a eficiente gestão de compras nem sempre deve ser focada, exclusivamente, em melhoria de custos. Dessa maneira, um gestor precisa pensar também nos prazos de recebimentos, nos prazos e formas de pagamento, na qualidade e até mesmo na quantidade mínima por compra.

Tudo isso tem que estar perfeitamente alinhado com o intuito de que você não cometa erros bobos na administração do seu negócio. Assim, como estamos na era da transformação digital, a notícia boa é que você tem a oportunidade de contar com softwares de gestão de compras que facilitam a execução de cada uma dessas dicas.

Se você quer conhecer as melhores soluções em softwares de gestão de compras, entre em contato conosco agora mesmo!

controle de estoque para restaurante

O controle de estoque em restaurante é algo que deve estar sempre em pauta entre as atividades de um gestor desse tipo de estabelecimento. Afinal, o estoque é um fator essencial para o bom funcionamento do negócio e precisa ter uma gestão de qualidade.

O problema é que nem sempre os cursos de gastronomia preparam bem os alunos acerca de atividades de gestão. Por isso, muitos empresários da área de alimentação acabam tendo dúvidas sobre como realizar o devido controle de estoque.

A seguir, vamos listar uma série de itens que devem ser levados em consideração ao fazer um controle de estoque em restaurante. Confira!


Comece com os itens de maior valor agregado

É preciso que você faça uma classificação dos produtos de seu restaurante. Inicialmente, não é necessário ter um controle de tudo, mas sim dos itens que têm maior valor agregado.

Entre os diferentes tipos de classificação, você pode categorizar os produtos em legumes, verduras, produtos perecíveis e não perecíveis etc.

Defina prazos para o controle de estoque em restaurante

Os estoques dos restaurantes costumam ter alta rotatividade, uma vez que os insumos são utilizados diariamente para o preparo dos pratos servidos aos clientes. Por isso, os prazos para o controle de estoque devem ser constantes.

A ideia é os inventários se tornem rotina e que os gestores do restaurante observem os produtos que entram e saem do estoque. Jamais se deve tirar um prato do cardápio por conta da falta de um ingrediente, por exemplo.

Tenha limites para a compra de mercadorias

Quando falamos em controle de estoque em restaurante, não podemos deixar de citar os limites para compra, algo muito importante e que sempre deve ser levado em consideração. Afinal, os desperdícios podem causar grandes prejuízos para o negócio.

O ideal é que sejam comprados produtos semanalmente ou até mesmo diariamente, para o caso de itens altamente perecíveis, como frutas, legumes e hortaliças, que podem estragar se ficarem muito tempo armazenados.

Mantenha o local sempre limpo e organizado

Assim como em todas as outras áreas do restaurante, o estoque precisa ser muito bem limpo e organizado. Além de evitar danos por conta da umidade ou contaminação dos alimentos, a organização e limpeza faz com que os produtos sejam localizados mais facilmente no estoque.

Isso facilita o controle do estoque e a prática de técnicas como a PEPS, que diz que o “primeiro que entra é o primeiro que sai”, quando se refere ao fluxo de entrada e saída em um sistema de armazenagem.

Utilize uma plataforma digital para otimizar os processos

A tecnologia deve ser vista como uma aliada para os gestores de restaurantes, pois facilita muito a gestão das atividades corriqueiras do dia a dia, como a organização do estoque.

Existem ferramentas, como softwares de gestão, que possibilitam o correto controle de estoque em restaurantes, de forma prática e automatizada, garantindo mais qualidade e lucratividade para o seu negócio.

O Menu Control é um exemplo desses softwares que, além do controle de estoque, também pode fazer a precificação das receitas, elaboração de fichas técnicas, entre outras atividades. Entre em contato conosco e saiba mais!