2020 foi um ano diferente de qualquer outro para a indústria dos serviços de alimentação. Testou os limites da inovação dos operadores, acelerou tendências e confirmou que clientes sentem falta de suas experiências em restaurantes.

As tendências em produtos alimentícios e cardápios não compensaram a devastação da indústria; as vendas caíram em quase USD 240 bilhões e quase 2,5 milhões de funcionários continuam desempregados. Porém, demostram a resiliência, a inovação e o compromisso dos donos de restaurantes. A seguir, as principais formas de operação aplicadas pelos restaurantes para sobreviver em 2020, a partir de uma pesquisa feita com 6.000 operadores e as preferências de consumidores levantadas através de uma pesquisa com 1.000 adultos.

Veja aqui nosso artigo com dicas de segurança durante a pandemia, clique aqui

1. Menus simplificados

Os operadores de serviço completo se agilizaram rapidamente, reduzindo os estoques e desenvolvendo itens de menu que poderiam fazer bem com equipes menores. Esses itens tinham que ter boa aceitação geral e ir de encontro ao que os clientes desejavam.

Podemos esperar que os menus continuem simplificados nos próximos meses.

2. Atendimento fora do restaurante é prioridade até que tudo isso passe

Antes da pandemia, 80% do tráfego de restaurantes de serviço completo ocorria nas próprias instalações do restaurante. De repente, em março de 2020, a maioria dos restaurantes foi forçada a fechar o atendimento nas instalações. Naquilo que provavelmente foi a mudança mais rápida na história do setor, o foco rapidamente mudou para retirada no local e entrega a domicílio.

3. Refeições híbridas, um esforço em conjunto

Uma das tendências que surgiu recentemente é, sem poder sair de casa, os clientes gostam de misturar refeições – talvez preparar o prato principal, mas pedir aperitivos, acompanhamentos ou sobremesas de um restaurante.

O público adulto é especialmente um grande apreciador da refeição misturada.

4. Pacotes de refeições? Considerado um bom negócio!

Por que cozinhar? As escolhas dos clientes de restaurantes podem ser influenciadas pela oferta de uma refeição embalada possivelmente incluindo aperitivo, entrada e sobremesa em pacotes para famílias ou para refeições individuais.

5. Kits de refeição tornam a culinária divertida

Mais da metade dos adultos entrevistados dizem que provavelmente comprariam um kit de refeição se fosse oferecido por um de seus restaurantes favoritos. Esse percentual sobe para 75% tanto para os millennials quanto para os adultos da Geração Z. Kits contendo ingredientes com porções previamente preparadas e instruções para fazer a refeição do restaurante em casa.

6. Assinaturas de refeições

Os clientes se inscrevem para receber refeições durante o mês para retirada ou entrega – por um preço com desconto.

Mais da metade dos consumidores entrevistados dizem que se inscreveriam se seus restaurantes favoritos oferecessem este serviço.

7. Venda de mantimentos

Parece que qualquer coisa que poupa uma saída recebe um positivo. Mais da metade dos consumidores pesquisados compraria mantimentos (alimentos frescos e crus, como carnes, legumes, laticínios, pão ou macarrão) se os restaurantes os oferecessem.

8. Bebida alcoólica para viagem

O estudo de tendências aponta que um terço dos clientes de delivery (com mais de 21 anos), dizem que incluíram uma bebida alcoólica com um pedido de retirada ou entrega desde o início do surto de COVID-19, e continuarão no futuro.

9. Comida afetiva (ou alimentos que trazem conforto emocional)

Os consumidores dizem que cardápios que oferecem uma boa seleção de alimentos de conforto emocional influenciam sua escolha de restaurante. Da alta cozinha ao cardápio doméstico, um terço dos donos de restaurantes finos pesquisados está adicionando mais itens de conforto — entendam-se eles por hambúrgueres, tortas salgadas, lasanhas, sopas, pratos com curry, sanduíches, pizza e pratos de massas.

10. Alimentos saudáveis e específicos de dietas

No mesmo nível em que a disponibilidade de comida afetiva influencia a escolha do restaurante, as opções de cardápio saudáveis também. Itens específicos de dietas (sem glúten, vegana, etc.), no entanto, são menos importantes agora.

O que os clientes desejam. Todos os anos, a National Restaurant Association publica sua Previsão Anual da Culinária que Está na Moda para identificar as tendências de cardápio a serem acompanhadas no ano seguinte, conforme identificado em uma pesquisa de chefs da American Culinary Federation.

Este ano, para identificar o que realmente está sendo mais vendido durante a pandemia, perguntamos aos donos de restaurantes qual o item em seu menu mais popular atualmente.

A grande maioria diz que os itens de alimentos e bebidas mais vendidos atualmente já estavam nos cardápios antes do surto de coronavírus.

Top Sellers: Serviço Completo

(Jantar Fino, Jantar familiar, Jantar Casual )

1.            Hambúrgueres

2.            Itens de frutos do mar

3.            Pizza

4.            Carnes grelhadas

5.            Itens de frango (excl. asas)

6.            Itens do café da manhã

7.            Massa

8.            Comida mexicana

9.            Sanduíches / Subs / Wraps

10.          Asinhas de frango

Top Sellers: Serviço Limitado

(Refeições rápidas, Rápido Casual, Café e Lanche)

1.            Sanduíches / Subs / Wraps

2.            Pizza

3.            Hambúrgueres

4.            Itens de frango (excl. asas)

5.            Sorvete / biscoitos / bolos

6.            Produtos assados

7.            Itens de café da manhã

8.            Comida mexicana

9.            Itens     de churrasco

10.          Itens de frutos do mar

Aproveite para ler nosso artigo sobre como desenvolver o cardápio de um restaurante, clique aqui para acessar.

Metodologia

National Household Survey, 2020: A National Restaurant Association encomendou a Engine a realização de uma pesquisa online com 1000 adultos em dezembro de 2020, fazendo perguntas sobre suas finanças pessoais e interação com restaurantes.

Restaurant Trends Survey, 2020: A National Restaurant Association realizou uma pesquisa online com 6.000 proprietários e operadores de restaurantes entre novembro e dezembro de 2020, com perguntas sobre seus ambientes de negócios e operações